Nutrição Funcional na Infertilidade Masculina

Um estudo de Harvard, demonstrou  que o consumo frequente de carnes processadas foi associado a uma menor qualidade do esperma masculino.

O Estudo evidencia que o consumo de alimentos ricos em Omega 3, do peixe, mais especificamente os ácidos docosahexaenóico (DHA) e ácido eicosapentaenóico (EPA), melhoram a qualidade dos espermatozoides. Isso na verdade não e novidade, a essencialidade da gordura proveniente dos peixes de águas frias, nos diversos sistemas do nosso organismo ja  esta muito bem documentada  na  literatura  cientifica.   O consumo frequente de Omega 3 interfere na composição das membranas celulares, melhorando a comunicação intra e extra celular fundamentais para  que nossas células exerçam suas função metabólicas.

 O consumo de substancias processadas cheias de gorduras saturadas, conservantes e hormônios   interferem na qualidade do esperma, pois  aumentam a quantidade de espécies reativas de oxigênio, que são  moléculas degenerativas, presente no estresse oxidativo.

O estresse oxidativo é o resultado do desequilíbrio  entre as espécies reativas de oxigênio e antioxidantes.  E quando isso ocorre  ao mesmo tempo em que as quantidades de  antioxidantes naturais do esperma estão diminuídas,  as  espécies reativas de oxigênio  da própria célula provocarão  danos e disfunções  nos  espermatozoides, (Jensen et al,2011), contribuindo para infertilidade.

Consumo de carne vermelha e infertilidade

Não basta diminuir o consumo da carne vermelha, a que se aprender a comer, nosso organismo necessita de  nutrientes o tempo todo. O paciente em tratamento deverá  mudar seu estilo de vida procurar um nutricionista para receber um plano de tratamento alimentar totalmente individualizado para  as suas necessidades bioquímicas.

Omega 3 e fertilidade 

No estudo citado quem consumia mais peixes parecia ter um esperma de melhor qualidade. O ômega-3  presente nos peixes é  parte  estrutural  das membranas plasmáticas das células. Conferindo ao  espermatozoide  mais resistência  e maleabilidade, essenciais para  perpetuação da espécie. Em outro estudo da Human Reproduction, foi evidenciado a interferência da quantidade e o tipo de gorduras com qualidade do esperma produzido. Os resultados sugerem, ainda, que a alta ingestão de ácidos graxos  omega 3, encontrados nos  peixes e óleos vegetais poliinsaturados  presentes no  óleo de linhaça, na semente de chia, chia e castanhas, está ligado a uma maior concentração de espermatozóides.

Outro estudo publicado na revista Biology of Reproduction demonstrou que o acrossoma localizado na região frontal da cabeça do espermatozoide, contem  enzimas essenciais à sua penetração no óvulo e à fertilização é dependente  do ácido docosahexaenóico – ómega 3 do peixe(DHA), essencial para a formação dessa  estrutura.

Há outros alimentos associados à melhora da fertilidade em homens? 

As causas da infertilidade masculina ainda não estão completamente claras. Novos estudos ainda devem ser realizados para que possamos cada vez mais atuar de forma preventiva beneficiando a população de um modo geral. No entanto, a hipótese mais estudada se relaciona com estresse oxidativo, já citado acima, e a exposição á  contaminantes  ambientais. O estresse oxidativo seminal precipita uma grande variedade de patologias, como a oligospermia (baixa concentração de espermatozoide), astenospermia (diminuição da mobilidade dos espermatozoides) e teratospermia (alteração na morfologia dos espermatozoides. Essa patologias estão associadas  a infertilidade masculina.

Sendo assim, o tratamento nutricional da infertilidade  começa com a retirada dos alimentos extremamente artificiais, redução da gordura saturada  e da carne vermelha  recuperação da membrana intestinal  através da suplementação de lactobacilos, garantindo a melhora da absorção dos  antioxidantes, capazes de diminuir a ação dos radicais livres, reduzindo assim o estresse oxidativo.

Deve-se  aumentar  o consumo de grãos integrais, folhas escuras, castanha do Brasil, peixes e frutos do mar, frutas.

Para alguns pacientes  será importante a suplementação de zinco,  selênio, Vitamina E, Vitamina C, Manganês, Coenzima Q 10, aminoácidos e Omega 3.

– E as mulheres? Há alimentos que contribuem para a fertilidade delas? E os que prejudicam?

A linha de raciocínio para estimular a fertilidade feminina  é mesma,  mudanças de estilo  de vida, preferência por  alimentos orgânicos, peixe, carne magra,  evitando produtos industrializados cheios de corantes, acidulantes, conservante e contaminantes ambientais.