Nem tudo são doces

Não é possível explicar porque algumas pessoas gostam tanto de doces e outras nem tanto, a diferença está em quem não consegue viver sem eles, pois vários fatores podem influenciar no metabolismo do “açúcar” no sangue. Cada um tem que ter um plano alimentar individualizado feito por um nutricionista que garanta todos os nutrientes necessários ao equilíbrio orgânico.

Vários estudos comprovam que as crianças imitam as atitudes dos pais, além disso, muitas doenças crônicas e degenerativas têm como fator de risco principal o estilo de vida.

O habito de comer açúcar varias vezes ao dia e/ou adoçar tudo o que se ingere pode viciar as papilas gustativas interferindo na percepção de outros sabores e na preferência por alimentos açucarados e industrializados. Não há a menor necessidade de oferecer açúcar e ou adoçar sucos e vitaminas… com açúcar refinado. Existem opções mais saudáveis como o mel de abelha, o melado, o açúcar mascavo e o Agave.

Quando preferimos os carboidratos simples (presentes no açúcar, mel, doces etc.) Os níveis de glicose no sangue sobem mais rapidamente, e assim que o pâncreas detecta esses níveis mais altos de açúcar, secreta  insulina e os níveis baixam muito rapidamente podendo criar uma hipoglicemia reativa; a ingestão excessiva de carboidratos  simples cria também um comportamento emocional muito mais instável uma vez que as nossas emoções estão intimamente ligadas às flutuações de açúcar no sangue.

Jejum prolongado também leva a  compulsão por doces , pois quando ficamos muitas horas em jejum ocorre o  aumento do nível de  cortisol interferindo  no metabolismo do açúcar e aumentando a necessidade da sua ingestão.

Baixos níveis de serotonina estão relacionados com a compulsão por doces e ou carboidratos, o carboidrato favorece a converção de  triptofano  em serotononina junto com as Vitaminas: B6, B12, Folato. A Vitamina B6 é parte de uma enzima-chave para a síntese dos neurotransmissores da serotonina.

Não é difícil se reformular os hábitos. Se seu plano alimentar estiver dentro de um plano de reeducação alimentar, fazendo 6 refeições ao dia, ingerindo carboidratos complexos a cada 3 horas e todos os outros alimentos da pirâmide alimentar,  dificilmente você sentirá algum desconforto ao diminuir o consumo de açúcar . O desconforto ocorre com as “dietas da moda e milagrosas”. Devemos separa desejo de comer com necessidade orgânica, de fato são estímulos diferentes.

No período pré-menstrual:

Muitos sintomas mais freqüentes na Síndrome pré-menstrual têm relação direta com o hábito alimentar, a flutuação de peso, baixa auto-estima, alterações de humor, depressão, tristeza, tensão, irritabilidade, ansiedade, descontrole, excesso de choro, retenção hídrica e outra série de fatores que deixam o corpo e a mente sensíveis neste período. O desequilíbrio hormonal é, também, responsável pela SPM, em função do excesso de estrógeno e prolactina e deficiência de progesterona, anormalidades da tiróide. A deficiência de serotonina e da vitamina B6 está associada à SPM. Alguns nutrientes têm seu papel bem estrutural nos processos neuroendócrinos relativos à SPM.  Triptofano, os níveis de serotonina, em mulheres sem SPM, são maiores do que nas mulheres com SPM. A passagem do triptofano, precursor da serotonina, para o cérebro depende de nutrientes que influenciam a disponibilidade cerebral deste aminoácido. Desta forma, a ingestão de alimentos ricos em triptofano ou que aumentam a sua disponibilidade no cérebro são fundamentais para a prevenção da SPM. Leite e iogurte desnatado, queijo branco, nozes, banana, arroz, batata, feijão, lentilha, castanhas, abacate, soja e derivados. Alguns carboidratos como pães e cereais integrais, biscoitos integrais, massas integrais, arroz integral, selvagem, legumes, frutas e mel. Mecanismo, a ingestão de carboidratos facilita a passagem do Triptofano para o cérebro em relação aos outros aminoácidos. Não é a toa que ocorre um aumento instintivo na vontade de consumir carboidratos antes da menstruação. A ingestão de carboidrato favorece a melhora do humor, pois facilita o aumento da síntese de Serotonina. Recomenda-se a ingestão de carboidratos, várias vezes ao dia em pequenas porções, com o objetivo de melhorar sintomas como tensão e depressão.

Quando estiver com vontade de comer doces, prefira alimentos saudáveis e tão gostosos quanto, como frutas, iogurte, doces feitos com frutas e fibras, chocolate com 70% de cacau, pão integral com recheio protéico, doces caseiros e etc.