Abóbora

Abóbora contra a fome exagerada

Ela sacia com poucas calorias e pode deixar a pele mais bonita. Você também fica bem-humorada e ganha mais disposição. Coma à vontade!

Por Eliane Contreras | Fotos 123RF, arquivo

Se você não consegue emagrecer porque gosta de volume no prato, a abóbora pode ser sua aliada para afinar a cintura. “Preparava uma versão sem açúcar do doce de abóbora para que eu pudesse consumir à vontade nas noites de maior fissura por guloseima”, conta Lucilia Diniz no livro Comer Light, escrito em parceria com a BOA FORMA (Editora Abril). A empresária emagreceu 61 quilos sem cirurgia usando a estratégia de trocar alimentos calóricos do cardápio por opções leves e com o poder de promover saciedade. Porque a abóbora funcionou: é magrinha (100 gramas dela cozida tem entre 20 e 40 calorias) e, por isso, você pode comer bastante sem engordar. Além disso, tem água (cerca de 95%) e fibras aos montes, saciando mais que qualquer outro legume e verdura, o que reduz mais um tanto de calorias consumidas no dia. Quer mais? Pode ser encontrada no mercado quase o ano todo, é barata e versátil!

Magra, linda e feliz
Popular no Brasil inteiro, a abóbora tem nomes e formatos variados, sendo estas três as mais conhecidas: moranga (arredondada), japonesa (de casca verde-escura) e pescoço (mais alongada). Já a polpa tem praticamente os mesmos nutrientes. “A cor alaranjada revela uma quantidade enorme de betacaroteno — substância que, no organismo, se transforma em vitamina A”, diz Edina Sakamoto, nutricionista de Campinas (SP). Sorte do sistema imunológico e das células, que passam a se defender melhor dos radicais livres. A pele também fica mais firme e lisa. Outro nutriente qua faz dessa fruta (sim, ela é uma fruta) um alimento de primeira linha é a curcubicina, que harmoniza o organismo, especialmente o da mulher, porque favorece a produção dos hormônios femininos. Os hormônios em ordem colaboram para deixar você bonita e feliz. Por falar em humor, a abóbora também tem triptofano. “Essa substância favorece a produção de serotonina, neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar”, afirma Thais Yumi Kogachi, nutricionista do setor de Alimentação Natural da Fundação Mokiti Okada, em São Paulo. As fibras (elas de novo) também ajudam você a ficar bem-disposta, pois contribuem para o bom funcionamento do intestino. “A abóbora ainda oferece vitaminas (A, C, E e as do complexo B) e minerais (zinco, cálcio, fósforo, ferro e potássio)”, complementa Luciana Harfenist, nutricionista do Rio de Janeiro.

Coma até a casca!
Poucos alimentos permitem tantas variações de preparo como a abóbora. Significa que você não precisa se limitar ao tradicional doce (light, claro!) ou ao camarão na moranga. Levemente adocicada, ela pode ser transformada em sopa, fazer parte de refogados e assados ou apenas cozida e temperada na forma de salada. Mas, se preferir, você pode usála para substituir parte da batata-inglesa numa receita de purê ou numa carne de panela. Só com isso, o valor energético da receita diminui. E olha só: da abóbora, sobretudo a japonesa, se aproveita até a casca, que, além de fibras, tem uma proteína capaz de funcionar como um antibiótico natural contra os fungos. Essa e as demais variedades também oferecem as sementes – parte da hortaliça rica em fito estrógeno, outra substância funcional que pode auxiliar na redução dos sintomas da menopausa e TPM, além de diminuir os níveis de colesterol. Levadas ao forno (veja em Semente Tostada), viram um delicioso aperitivo e um excelente vermífugo. E do óleo, encontrado em casas de produtos naturais, já ouviu falar? As sementes prensadas a frio resultam em um óleo rico em zinco e vitamina E – substâncias com efeito antioxidante e anti-inflamatório, deixando o organismo menos resistente à perda de peso. E, por ser uma gordura boa (indicada como tempero de saladas), também aumenta a saciedade. Ou seja, a abóbora pode ajudar você a atingir seu objetivo na balança de diferentes maneiras. Aproveite!

Comprar e conservar
A casca deve estar firme, lisa, sem rachaduras e não ter manchas. Se comprar em pedaços, escolha os que têm uma cor intensa. Quando verde, conserve em lugar fresco e arejado e, madura, mantenha na geladeira. “A abóbora pode ser assada, refogada ou cozida – nesse último caso, a melhor forma de cozimento é no vapor, pois elimina menos nutrientes”, orienta a nutricionista Luciana Harfenist. O sabor e a cor também ficam mais acentuados.

Semente tostada

Escolha uma abóbora grande, separe as sementes e lave-as, retirando todo o resíduo da polpa. Coloque em uma fôrma borrifada com óleo e asse em forno médio por cerca de 20 minutos ou até dourar levemente. Sirva polvilhada com um pouco de sal, como aperitivo. Para transformar as sementes em farinha, triture no liquidificador e guarde em um pote fechado na geladeira. Use uma colher de sopa, duas vezes por dia, polvilhada na sopa, no refogado na salada.

Calorias em 1 colher de sopa: 55

Receita sugerida pela nutricionista Rosana Albuquerque, da Fundação Mokiti Okada, em São Paulo.

 Doce de abobora funcional