Matérias

Matérias

Dicas da Dra. Luciana Harfenist para ir à Feira comprar alimentos saudáveis

Dicas da Dra. Luciana Harfenist para ir à Feira comprar alimentos saudáveis e deliciosos, gastando pouco e fazendo compras maravilhosas! 1 – Quais são os alimentos de cada grupo que são mais saudáveis e não podem faltar na lista de compras de quem vai a feira? Todos os alimentos da pirâmide alimentar devem estar presentes no prato. A maior oferta de um ou de outro dependerá das necessidades bioquímicas de cada um. Mas uma regra serve para todos que pretendem inundar seu organismo com nutrientes essências. Em cada refeição  é necessario  comer alimentos com 5 cores diferentes, pois cada cor tem relação com um grupo de nutrientes diferentes, que manterão o o organismo em equilíbrio 2 – Algumas frutas possuem muito açúcar e calorias. Que frutas possuem menos calorias e por isso são mais recomendadas? As frutas contém frutose, fibras, vitaminas minerais fundamentais para os mais diversos processos biológicos do nosso organismo, ou seja, são saudáveis na medida certa. O grande problema que eu percebo em relação ao consumo de frutas  é  a confusão que as pessoas fazem em relação aos alimentos naturais. Por serem saudáveis, são consumidos em quantidades exageradas, e esse consumo excessivo é  prejudicial e pode elevar  os níveis de glicose, e triglicerídeos no sangue, além do depósito de gordura abdominal. 3 – É recomendado sempre consumir alimentos da estação. Como escolher os alimentos mais novos e mais bonitos da Feira? Saber a safra dos alimentos antes de ir a feira é  uma grande vantagem, tanto na qualidade do alimento quanto no preço. Durante as safras os hortifrútis estão em seu ápice biológico, garantindo maior concentração de nutrientes. 4 – Os alimentos orgânicos estão muito em alta. Eles são realmente mais saudáveis? Sim, pois além de serem naturalmente ricos em diversos nutrientes, eles estarão livres dos agrotóxicos muito prejudiciais a saúde relacionados com diversas patologias degenerativas. 5 – Como saber se uma fruta possui agrotóxico? Quais as frutas e verduras costumam receber grande quantidade de agrotóxicos? É necessário buscar o selo IBD   que certifica produtos orgânicos, as mais contaminadas são: Tomate, morango, mamão papaia, goiaba, figo, uva, pera, pêssego, melão. Manga, abacaxi, maracujá, banana, laranja, melancia, mamão formosa. Existe um novo guia para o consumidor sobre produtos orgânicos https://issuu.com/organicsnetalimentosorganicos/docs/guia_do_consumidor 6 – Sabemos que a casca de algumas frutas e legumes são nutritivas e ás vezes saborosas. Tantos as cascas de frutas como as folhas de algumas hortaliças, normalmente descartadas são riquíssimas em nutrientes essências. A casca dos vegetais na natureza tem p papel biológico de proteção da planta, sendo assim existe uma grande concentração de compostos bioativos, e vitaminas que devem e podem ser consumidos. De quais alimentos podemos  ingerir as cascas ? Podemos ingerir de diversas frutas, e hortaliças contanto que sejam organicas. Como  a casca da banana, do abacaxi, da melancia, da  abóbora que podem ser transformados em receitas  deliciosas. Como o suco delicioso feito com a casca do abacaxi fervida, ou as folhas da beterraba que  podem ser preparadas iguais a couve mineira, e seus talos podem ser utilizados enriquecendo … Continue lendo

Matérias

Dra. Luciana Harfenist fala sobre os cursos de pós graduação

A Faculdades Campos Elíseos (FCE) em parceria com Instituto Luciana Harfenist lançou no Rio de Janeiro cursos de pós-graduação na área de nutrição esportiva com ênfase e bioquímica, Nutrição Funcional e Ortomolecular, e Fitoterapia com ênfase na prescrição baseada em evidencias científicas. Confira a entrevista com a coordenadora da FCE, Dra Luciana Harfenist. 1 – Quais são os próximos cursos? Pós-graduação em Fitoterapia aplicada a Nutrição elaborada com um Cronograma voltado a prescrição de fitoterápicos com o melhor conteúdo científico para Nutricionistas! Ênfase em bioquímica das plantas medicinais e correlações clínica e suplementação baseada em evidencias! Seguimos as especificações do CFN publicadas até o momento. A Nutrição Funcional e Ortomolecular busca corrigir carências ou excessos de nutrientes e toxinas no organismo, com o objetivo de neutralizar os radicais livres, melhorar o bem-estar, prevenir e auxiliar no tratamento de diversas doenças, além de retardar o envelhecimento. Nessa 5 ª turma de pós-graduação, unimos a Nutrição Funcional com a Nutrição Ortomolecular tornando o curso mais completo com características únicas. Pós-Graduação em Nutrição Funcional e Ortomolecular curso que une a ciência da nutrição funcional, onde o aluno será capaz de entender as interrelações entre os compostos bioativos dos alimentos, e o metabolismo humano. Já a Nutrição Ortomolecular possibilita o entendimento metabólico das organelas e sistemas, exames bioquímicos permitindo ao profissional um perfeito entendimento dos mecanismos bioquímicos e a aplicação prática e segura de técnicas avançadas capazes de rastrear desequilíbrios, e ou sobrecargas tóxicas ao organismo promovendo, através da suplementação dos nutrientes o equilíbrio das funções biológicas e recuperação e ou melhora da qualidade de vida. O que me deixou mais segura e entusiasmada com esse projeto de sucesso foi a qualidade e estrutura excepcional da FCE. A qualidade de ensino é uma meta persistente dos dirigentes da FCE. Basta acessar o site do Ministério da Educação (www.mec.gov.br) e você verá as avaliações que tivemos no decorrer de nossa história. Outra referência em que poderá ser constatada nossa excelente avaliação, é a Pesquisa de Análise Setorial do Ensino Superior Privado, realizada pela Hoper (2009, HOPER, Análise setorial do ensino superior privado. Coord Geral Ryon Braga. Foz do Iguaçu (PR): S/Editora, especialmente pp,. 70 e 71). 2 – Qual o público alvo (para que profissionais os cursos são recomendados)? Nutricionistas, médicos e farmacêuticos. 3 – O que os profissionais vão encontrar e podem esperar dos cursos? Cronograma elaborado para quem atua na área clínica, corpo docente com técnicas avançadas de docência e todos com pratica clínica. Todas as disciplinas com abordagens avançada em bioquímica Inovação, estrutura organizada, sistema informatizado, área restrita para aluno dentro do site, o aluno recebe seu programa com 6 meses de antecedência. 4- Qual os diferenciais em relação a outros cursos no mercado? A Minha experiência de 10 anos na área de cursos e congressos e a minha forte atuação na área clinica, proporcionam ao curso uma visão diferenciada do que de fato o nutricionista precisa, para a evolução das suas carreiras. Nossos cronogramas são exclusivos e objetivos para quem busca se … Continue lendo

Matérias

Treino HIT

Eliminar gordura em um treino rápido. Esta é a principal promessa do HIIT (High-Intensity Intermittent Training outreinamento intervalado de alta intensidade ), o treino aeróbico da moda. Ele apresenta muitos benefícios e é altamente eficaz, desde que feito da maneira adequada. O treino HIIT tem fundamento no conceito atual e cientificamente comprovado de emagrecimento e queima de gordura, que consiste na intensidade elevada do treinamento. Mas não basta se matar fazendo um determinado exercício, pois o conceito de intensidade é muito mais amplo do que se imagina e deve ser feito baseado em conhecimentos científicos. O método HIIT não é um método que tenha um sistema pré-determinado. Ele na verdade segue a maioria dos princípios do método tabata, apresentado neste artigo (Método Tabata – Para exterminar a gordura e emagrecer), onde o foco é uma sessão curta, com exercícios feitos na mais alta intensidade possível. Ou seja, quando falamos em método de treinamento HIIT temos de ter a primeira noção de que ele SEMPRE é feito na máxima intensidade possível. Por isso se você espera um treininho fácil, não é no HIIT que você vai encontrar. Porém, com o mesmo grau de dificuldade que você terá no treino, encontrará também os resultados, pois este método vem se mostrando como um dos mais eficientes para a queima de gordura. O exercício aeróbico quando praticado em baixa intensidade não é eficiente para o emagrecimento, e já abordamos isso neste artigo (Caminhada pode não ser tão eficiente para emagrecer). Portanto, a ciência vem mostrando, através de estudos em larga escala, análises de casos e outros tipos de estudos, que os exercícios mais intensos são bem mais eficientes para aumentar o gasto calórico. O fenômeno que explica o porquê de os exercícios mais intensos serem mais eficientes para a queima de gordura se chama EPOC. Ele já foi mostrado neste artigo (Queime gordura com o treinamento em circuito) e diz respeito ao gasto calórico pós treino. Durante muito tempo o senso comum e até mesmo alguns profissionais da educação física acreditavam que bastava calcular o gasto calórico durante a atividade física em questão. Mas como no organismo humano nada é tão linear, diversas pesquisas foram feitas para buscar de fato como o gasto calórico poderia auxiliar no emagrecimento e na queima de gordura. Desta maneira, diversos estudos foram feitos a fim de provar que o gasto calórico total da atividade era muito mais importante que apenas o seu gasto durante a prática. Com isso, a intensidade ganhou muito mais força na prescrição dos treinamentos, ganhando um espaço que era predominantemente dos exercícios aeróbicos de baixa intensidade. Hoje é muito comum encontrarmos pessoas que buscam emagrecer e investem na musculação, no Crossfit ou nos aeróbicos de alta intensidade, como é o caso do HIIT. Comprovação científica do HIIT Para que um método seja considerado eficiente mesmo para o objetivo ao qual ele se propõe, são necessários vários estudos complementares. Basicamente o HIIT se baseia em estudos sobre o EPOC e intensidade alta. Neste sentido, diversos … Continue lendo

Matérias

Alimentos da moda: será que eles ajudam na sua dieta? GNT

oleoginosas

Tapioca, chia, goji berry, glúten: mocinhos? vilões? Sera que eles ajudam? Sentido horário: goji berry, glúten, tapioca e chia Alguns alimentos sempre estiveram ali, ao nosso alcance, mas, de repente, viraram super-heróis da dieta. Ou supervilões. Mas, afinal, será que eles são mesmo tudo aquilo que andam dizendo por aí? “Não existe nenhum alimento que por si só vai exercer o efeito emagrecedor. Emagrecimento é um processo de reeducação alimentar. É necessário ativar o metabolismo com um combinado de alimentos certos”, adianta a nutricionista funcional e esportiva Luciana Harfenist. Listamos, abaixo, quatro alimentos que vêm sendo incluídos ou excluídos da dieta, com promessas de emagrecimento. Confira: GOJI BERRY “Goji berry promete emagrecer até 5 kg em 1 mês.” “Goji berry tem poder rejuvenescedor.” “Goji berry elimina celulite.” Mas não é exatamente assim, e Luciana Harfenist esclarece como o goji berry atua no organismo, em função desses benefícios. “O goji berry tem carotenóides, responsáveis por proteger a fruta do tempo e eles têm o mesmo efeito no nosso organismo. Por isso dizem que rejuvenesce, mas isso é a ação antioxidante, ou seja, apenas retarda o envelhecimento”, explica. A fruta não emagrece ou elimina a celulite, exatamente. “O que ela faz é reduzir a produção das substâncias inflamatórias. Celulite é a inflamação nas células de gordura”, avisa. CHIA Emagrece e reduz a gordura? Hum, ajuda. Mas não adianta nada se não estiver aliada a uma alimentação saudável. “A chia é fonte de fibra. A fibra gera saciedade, melhora o trânsito intestinal, ajuda a absorver melhor os nutrientes e melhorar a detoxicação hepática (retirada de substâncias tóxicas do organismo, que ocorre principalmente pelo intestino e fígado)”. Luciana explica que essas sementes têm fibra solúvel, o que aumenta pelo menos 10x o tamanho dela, por isso sacia tanto. “Mas a chia, ao contrário do que muitos pensam, tem bastante caloria. Não é alface!“, alerta. GLÚTEN Muita gente pensa que tirar o glúten da alimentação é sinônimo de emagrecimento. E, de fato, como ele está presente em pães e biscoitos, quando se exclui esse grupo de alimentos, consomem-se menos calorias. Mas não pelo glúten, exatamente. “O glúten interfere na permeabilidade da membrana intestinal, responsável pela absorção dos nutrientes. Se eu tenho alteração nesse metabolismo, passo a absorver o que não preciso, facilito a entrada de toxinas”, explica Luciana. A especialista lembra, ainda, que para uma dieta sem ele é preciso recomendação médica.”Mas não é todo mundo que precisa. Se o paciente não tem nenhum problema de intestino, substituir o pão normal pelo integral funciona na dieta”, avisa. Para a desintoxicação, avalia a especialista, é preciso tirar o glúten da rotina alimentar porque ele interefe na digestão. “Mas existe um periodo de desintoxicação. Meu detox dura 21 dias, no máximo”, alerta. TAPIOCA A tapioca é uma alternativa ao glúten, ao pão do dia a dia, conta a nutricionista. “Mas ela não tem nada de emagrecedor e nem nutricionalmente é melhor do que qualquer outra farinha. A tapioca tem alto índice glicêmico e engorda bem”, alerta. Segundo … Continue lendo

Matérias

Técnica chamada de Branqueamento

11848822_1616247058625891_164321071_n

  Sempre que cozinhamos um vegetal e congelamos acontecem as perdas nutricionais. Mas para reduzir essas perdas, existe uma técnica chamada de branqueamento. Essa técnica é uma etapa essencial para a manutenção da qualidade dos vegetais antes do congelamento e para o pré-preparo. O branqueamento inativa a ação enzimática que afeta a qualidade dos vegetais durante e/ou após seu preparo, reduz a quantidade de micro-organismos da superfície e mantém o vegetal mais firme e mais nutritivo. O processo é realizado através da imersão do vegetal em água (85 a 100°C) ou vapor d’água por 1 a 10 minutos, conforme o grau de dureza de cada alimento. Fases da preparação: Branquear (escaldar) os vegetais em 2,5 litros de água, mergulhando cerca de 300g cada vez, com o auxílio de uma peneira. Os vegetais deverão ficar imersos na água fervente pelo tempo indicado na tabela adiante. A mesma água pode ser usada para até 8 porções do mesmo tipo de vegetal, aguardando-se levantar fervura antes de mergulhar nova porção (para vegetais diferentes é necessário trocar a água). Resfriar os vegetais no mesmo espaço de tempo em que foram escaldados, também com o auxílio da peneira. Passar primeiramente os vegetais em água fria e em seguida mergulho-los em água com gelo. Secar bem, embalar e etiquetar. Atenção: Os vegetais a congelar devem ser frescos e bem lavados, retirando-se as partes danificadas, permanecendo ao refrigerados até a hora da preparação. #dicasluharfenist #lucianaharfenist #dicadanutri #nutricaofuncional#vidasaudavel #saude #congeladosdanutri #viverbem #detox #atividadefisica #estetica#bemestar #alimentacaosaudavel #semgluten #nutricaoesportiva #lifestyle #cozinhafit#healthyfood   DOWNLOAD -BRANQUEAMENTO DE VEGETAIS